Maria Monteiro tem 25 anos, é farmacêutica e saiu de Portugal porque não encontrava trabalho. A oportunidade surgiu em Barcelona e não hesitou em seguir o seu coração.

 

Em Portugal deixou os pais, 8 irmãos e 4 sobrinhos de quem sente muitas saudades todos os dias.

Ainda em fase de adaptação no seu novo país, acredita que fez a melhor opção, mas não deixa para trás a hipótese de um dia poder regressar ao país que a viu crescer.

 

A oportunidade

“Viver fora de Portugal nunca foi o plano A. Foi uma boa oportunidade e estou muito grata de a ter tido.” É assim que Maria descreve a sua saída do país. Depois de vários meses em busca de trabalho em Portugal sentiu que aqui não era o seu lugar, pelo menos por enquanto. “Custa pensar que de todas as entrevistas que fui em Portugal, foi em Espanha que me quiseram.”

A viver uma nova experiência, sente que ganhou uma coragem que nunca pensou que tivesse, sente que este é o seu caminho. Sente-se uma pessoa diferente em tudo o que precisava de crescer e amadurecer “Mais que tudo, questionava-me muito sobre o que era isso que falavam de sair da zona de conforto. Agora acho que já sei.”.

 

As dificuldades

Certamente que a maior dificuldade é lidar com a saudade. Para viver a oportunidade que lhe foi dada, deixou para trás os pais, oito irmãos e quatro sobrinhos “Deixar para trás a família para mim não foi um acontecimento pontual no tempo, algo que aconteceu no dia em que parti. É algo que faço todos os dias, quando há aniversários, quando há dificuldades, ou quando há coisas boas.” Sente que nunca consegue matar as saudades, mas sim acalmá-las com uma chamada no Skype ou com longas conversas no WhatsApp de família.

No seu novo país Maria ainda está em adaptação, principalmente no que diz respeito à língua. Por lá fala castelhano, mas depara-se com outros idiomas como o catalão e o inglês “Ainda me estou a adaptar! Chego ao final do dia cansada com tantos idiomas!”.

 

Ser emigrante

Maria considera-se uma emigrante que leva no coração a palavra saudade, sempre! Sorri quando ouve a palavra “Portugal”, e confessa que começou a ouvir fado com mais frequência. No entanto consegue lidar bem com a situação de ter mudado de país e começar do zero. Fez amigos, tenta conhecer novas pessoas, ter uma vida social.

Desde que está a viver em Barcelona já conseguiu alcançar alguns objetivos, sente-se realizada a nível profissional, mas ainda tem sonhos por concretizar, como constituir família.

 

Mais do que tudo é um Coração Luso

O meu coração é verde e encarnado e em cada esquina ouve um ‘Bom dia’, e em cada esquina diz um ‘Boa tarde’ e em cada despedida um ‘Até já’. O meu coração é verde e encarnado e eu tenho a sorte de leva-lo cheio deles e delas. Dele. E dela.

Artigo anteriorCatarina Nogueira
Próximo artigoFábio Rodrigues
Vanessa Saudades
Natural da vila de Cabeço de Vide, situada no Alto Alentejo. É licenciada em Jornalismo e Comunicação pela Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre. É jornalista no Coração Luso.

1 COMENTÁRIO

  1. Boa tarde. Estou a contactar do Porto Canal e gostaria, antes de mais, de saber se se encontra bem, dado o atentado desta tarde nas Ramblas, em Barcelona.
    Gostaria de saber se por acaso estava perto daquela zona, se presenciou ou se se apercebeu de alguma coisa e se estaria disponível para falar connosco via telefone ou skype. Deixo-lhe o meu contacto 00351 968809908.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor faça o seu comentário!
Por favor insira aqui o seu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.